270_3.jpg

Estação Parque dos Dinossauros da Lourinhã

logo_dinoparque.png

Desde o início do Parque dos Dinossauros da Lourinhã, em 2018, que se procurou identificar as espécies animais avistadas, tanto vertebrados, como insetos, maioritariamente diurnos. As observações eram registadas na plataforma BioDiversity4All onde ainda hoje se vão adicionando todos os novos avistamentos. Este registo tinha tanto uma pitada de puro interesse naturalístico, a “curiosidade pelos bichinhos”, como um objetivo de fazer um levantamento da biodiversidade do pinhal e do seu estado fitosanitário.

Com a entrada na Rede de Estações de Borboletas Nocturnas a observação destes animais no Dino Parque da Lourinhã, além do registo casual, passou a ter uma metodologia que possibilita uma melhor sistematização, capacidade de comparação e controlo de agentes vetores ou problemáticos.

Graças à observação e vontade dos funcionários, durante a pandemia, foi instalado um Hotel de Insetos e prepara-se para breve a distribuição de cinco painéis demonstrativos da biodiversidade, procurando em cada um ter sempre plantas, aves, herpetofauna e/ou mamíferos e, claro está, os insetos, praticamente todos com fotografias tiradas no parque.                                         

2.jpg
Hotel insetos.jpg

Hotel dos Insetos

Além de todas estas espécies vivas (extantes), os visitantes ainda podem observar cerca de 200 modelos de espécies extintas, à escala real, tanto de alguns dos mais emblemáticos dinossauros do mundo, como de dinossauros exclusivos de Portugal e mesmo espécies de insetos do Carbonífero, como as gigantes libelinhas Meganeura ou a centopeia Arthropleura.         

 

O Dino Parque tem a convicção que é a única estação que tem um Lourinhanosaurus como vigilante noturno da sua caixa Skinner.                                                                        

Responsável: Simão Mateus